O Instituto de Psicologia se junta vozes consternadas que lamentam o incêndio que devastou o Museu Nacional, na noite de domingo, no Rio de Janeiro. Trata-se não de um evento isolado de destruição da ciência e cultura do nosso país, nem obra caprichosa do acaso. Sofremos de uma caprichosa arquitetura de desmonte e sucateamento do nosso patrimonio científico e cultural. O Museu Nacional e nossas instituições científicas sofrem com a falta regular de recursos, os cortes, e, agora, com a EC 95, que congelou os gastos públicos por 20 anos, este quadro estarrecedor irá se aprofundar ainda mais. Um acervo inestimável de dois século se perde. Bem como o trabalho de centenas de pesquisadores. Nos solidarizamos com os professores, pesquisadores, estudantes e servidores do Museu Nacional e pedimos providências para a recuperação do que for possível. Ciência e cultura são produções que dão sentido ao nosso mundo e que promovem a imagem de quem fomos e do que seremos. Quem visitou o Museu Nacional pôde experimentar um pouco mais de quem fomos e quem poderíamos ser no reencontro com variados mundos cientificos e culturais. O que seremos sem o Museu Nacional?

 

       WhatsApp Image 2018 09 04 at 13.37.22 1       WhatsApp Image 2018 09 04 at 13.37.23

 

       WhatsApp Image 2018 09 04 at 13.37.24       WhatsApp Image 2018 09 04 at 13.37.24 1

 

       WhatsApp Image 2018 09 04 at 13.37.22 2       WhatsApp Image 2018 09 04 at 13.37.22

 

       WhatsApp Image 2018 09 04 at 13.37.23 1

Informamos que a sala de informática do IP (LIRP) está reservada para a disciplina Tratamento de Dados às sextas de manhã, das 9h20 até 12h50. Pedimos que aqueles, que não estarão cursando esta disciplina em 2018.2, não utilizem a sala nesse período.

 

Equipe LIRP

Na última quarta-feira (14/03/2018), por volta das 21:30, a vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL) foi morta a tiros no bairro do Estácio, região central do Rio de Janeiro. Na ação foi igualmente assassinado o motorista do carro onde ela estava, Anderson Pedro Gomes, e foi ferida uma assessora de Marielle.

A vereadora era relatora da Comissão que irá acompanhar a Intervenção Federal no Rio de Janeiro, e uma notória ativista dos Direitos Humanos.

A polícia ainda investiga o caso, mas ele tem todas as características de uma execução. Marielle estava ativamente denunciando a violência do 41o Batalhão da PM, conhecido em suas publicações como Batalhão da Morte. Políticos de várias esferas ideológicas manifestaram pesar e revolta.

O Instituto de Psicologia não pode ficar alheio a este caso, e utiliza este espaço para manifestar sua indignação pelo assassinato da vereadora, e pelo modo como se conduz a Intervenção Federal no Rio de Janeiro.

Quando uma representante legitimamente eleita e defensora de causas vitais é assassinada (seja provavelmente por interesses de máfias ou de bordas obscuras próprio Estado) sua morte não é apenas digna de um pesar e revolta pessoais mas de nossa própria república e de nossa democracia.

Estamos cansados de ver o sangue de militantes de direitos civis e de minorias (de gênero, étnicas ou sócio-econômicas) correndo pelas ruas de nossas cidades e queremos ver nossa democracia reestabelecida. Não apenas no exercício do voto, mas nas garantias mais cotidianas da nossa vida.

Informamos que nesta quarta-feira, 27/06, a Secretaria estará fechada. Eventuais demandas URGENTES poderão ser enviadas por email.
Retomaremos as atividades na quinta-feira, dia 28/06.
UFRJ Instituto de Psicologia
Desenvolvido por: TIC/UFRJ